Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

NEOABJECCIONISMO

O abjeccionismo baseia-se na resposta de cada um à pergunta: QUE PODE FAZER UM HOMEM DESESPERADO QUANDO O AR É UM VÓMITO E NÓS SERES ABJECTOS?- Pedro Oom .-As palavras são meras formalidades... O NEOABJECCIONISMO, n

NEOABJECCIONISMO

O abjeccionismo baseia-se na resposta de cada um à pergunta: QUE PODE FAZER UM HOMEM DESESPERADO QUANDO O AR É UM VÓMITO E NÓS SERES ABJECTOS?- Pedro Oom .-As palavras são meras formalidades... O NEOABJECCIONISMO, n

25
Mai13

PREFÁCIO DE LAUREANO CARREIRA PARA O LIVRO "A insurreição das PALAVRAS"

NEOABJECCIONISMO


**

PREFÁCIO DE LAUREANO CARREIRA PARA O LIVRO "A insurreição das PALAVRAS"

da autoria de joão raimundo gonçalves

***

 

Há os autores que fazem poesia a olhar para o seu eu interior, à maneira de António Nobre ou de Florbela Espanca e de tantos outros, e depois há aqueles para os quais a palavra poética é expressão de sangue e raiva a brotar do interior em chamas. O seu, ou o de outros homens, que importância, pois que o poeta os assume como seu: “sinto o sangue [do povo] nos corredores confrontado com a desgraça”.

Meninos e moços, enquanto o breu da noite virava à aurora, íamos da praia da Costa da Caparica à Fonte da Telha atrás de uma linha com muitos anzóis atirada ao mar e arrastada pela corrente de norte para sul. No final havia alguns peixes que eram recompensa dos milhares de palavras trocadas durante a noite e dos sonhos acalentados pelo ardor da juventude: “não desistas nunca de sonhar” homem! Pois que é a vida se o homem não sonha?!

Palavras?

Não, não somente palavras, já que as palavras mais não são do que expressão do sonho, pois é com palavras que o homem sonha.

E é com as mesmas palavras que o homem exprime a dor de se sentir “Sísifo condenado / não de lacaio mas de jumento / a carregar o fardo enxuto de semente”.

A poesia de João Raimundo Gonçalves é uma poesia alimentada pela necessidade de esperança, quantas vezes carregada de desesperança, na qual a descrença no homem se transforma em apelo gritante à revolta libertadora. Como em Chove e na sua notável força expectante de que “pudera esta chuva à revelia / dos conceitos servis por anedóticos / arrastar na lama da corrente / impelida pela nossa portentosa rebeldia / agentes da desgraça patrióticos / salvadores de pátrias vazias de gente”.

A Insurreição das palavras é um apelo Às musas ninfas de espuma que “correm nas veias confusas / em passos de contra dança”. É a esperança e a recusa do olhar indiferente para o outro que estão em cada uma das palavras de João Raimundo Gonçalves. Mas também o amor da vida vivida para além das dificuldades do quotidiano. Filhos, e netos e palavras dolorosas ou carregadas de esperança são neste livro um apelo à “alforria das almas mortas”. Porque a vida brota do sangue, e assim deve continuar enquanto sangue houver. Como quando um homem corre, e corre, e corre pelo trilho do unimog numa pista da Guiné para não acontecer saltar com o unimog. Se sobreviveu ao quartel enterrado, às operações guerreiras, e às granadas, e aos tiros, à fome e à sede, se o homem conservou a Lucidez da [sua] loucura, por que arriscar a persistência da vida quando a salvação do corpo e a porta para o inferno da alma que recusa a indiferença do outro estão no final da picada? E o homem corre, corre, corre até à exaustão de si para ganhar para a sua eternidade o inferno de ser outro. Daí A Insurreição das palavras, que já eram palavras carregadas do iodo da praia da Costa da Caparica pelas noites de invernia antes de serem livro.

 

 

Laureano Carreira

Cabourg, Março 2013

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa útil - home - pesquisa avançada - últimos posts - tops / estatísticas direito de resposta - área de utilizador - logout informação - ajuda / faqs - sobre o blog.com.pt - contacto - o nosso blog - blog.com.pt no Twitter - termos e condições - publicidade parceiros e patrocinadores