Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

NEOABJECCIONISMO

O abjeccionismo baseia-se na resposta de cada um à pergunta: QUE PODE FAZER UM HOMEM DESESPERADO QUANDO O AR É UM VÓMITO E NÓS SERES ABJECTOS?- Pedro Oom .-As palavras são meras formalidades... O NEOABJECCIONISMO, n

NEOABJECCIONISMO

O abjeccionismo baseia-se na resposta de cada um à pergunta: QUE PODE FAZER UM HOMEM DESESPERADO QUANDO O AR É UM VÓMITO E NÓS SERES ABJECTOS?- Pedro Oom .-As palavras são meras formalidades... O NEOABJECCIONISMO, n

02
Jun12

INTEMPORAL...

NEOABJECCIONISMO
foto imagem de Paula Pereira

*
INTEMPORAL
*
choveram estrelas
dos teus olhos
palpitaram pálpebras
ainda o dia era sol
e a lua um rosto fantasmagórico
reflectida no mar de maresia
quando um beijo abalou o corpo teu e meu
sôfregos ambos os lábios
as narinas arfantes de odores
sob o eco da rebentação de que mundo?
lembro-me do abandono relaxante
no vácuo do silêncio
depois morremos
abandonados um no outro
autor: jrg
25
Mai12

ANDEI À GANDAIA

NEOABJECCIONISMO

imagem pública tirada da net
*
ANDEI À GANDAIA
*
fui à beira do povo
a ver se inda havia gente
tal o silêncio sentido
não vi nada mais de novo
mutismo arrepiante
doutro tempo já vivido
*
fui à beira da vida
gota d'água da nascente
a ver o q'ela escondia
não vi mais que desvalida
a ideia fútil incipiente
gritada de forma erradia
*
fui à beira da morte
envolta na bruma nascente
onde o medo se encolhia
a ver se via a estrela mais a norte
não vi esperança latente
só sofisma e altiva cobardia
*
fui à beira do rio
corrente que engrossa o mar
ouvi gritos e recados
marasmo de povo sem brio
a ver a vida quebrar
não vi fumos branqueados
*
fui à beira da IDEIA
a ver que mudanças havia
filósofos pensadores
tudo envolto em densa teia
histórias de fantasia
não vi mais que impostores
*
fui à beira da Mulher
dos homens e das Crianças
a ver se via a coragem
de tudo o que ouvi mais dizer
foram risos e esperanças
de meninos e meninas sem roupagem
*
parei à beira do tempo
a ver o que o tempo então fazia
estava tudo em turbilhão
nem água nem fogo nem vento
nem a terra se mexia
cada qual metido em seu caixão
*
solto um grito espavorido
por entre as nuvens de pássaros
toda a orbe estremeceu
achei o segredo à tanto escondido
onde antes soavam disparos
uma voz anunciava que a IDEIA não morreu
*
levantam dos corpos as almas
correm crianças de IDEIA à cintura
rasgam as páginas do sistema
reencontram a mãe batem as palmas
lavra o fogo a terra apura
ruge o vento o mar afoga o estratagema
*
rufam frenéticos tambores
irrompem tubas violinos e trompetes
rodas vivas melodias e cantares
celebram o fim de todos os horrores
fogem tresloucados os ferretes
mas o mundo mudou respiremos novos ares
autor: jrg
30
Abr12

QUANTO DE NÓS AINDA RESISTE !...

NEOABJECCIONISMO
 imagem Lenita Nabais
**
QUANTO DE NÓS AINDA RESISTE
***
quanto sol
ainda havia para em nós arder
quanta bruma
a sombrear a rota até vencer
quanto amor
havia que amar antes de morrer
e eu à tua espera
*
quanta lua
enche a vaza em marés vivas
quantos ventos
trazem mudanças invasivas
quantos mares
sereias iludidas neles cativas
e tu tardas a chegar
*
quanta chuva
húmida e fria no meu corpo encharcado
quanta fartura
num beijo ou num abraço entrelaçado
quanta alegria
ao sentir o pulsar da alma esperançado
e ao longe ainda a neblina
*
quanta terra
onde semeio palavras paladinas
quanta abundância
de searas formosas tão femininas
quanto de tempo
os teus lábios rumorejam em surdina
e o silêncio lúgubre que perdura
*
quanta esperança
no reboliço das emoções em liberdade
quanta magia
no teu olhar de menina a humanidade
quanto de beleza
traz o humanismo novo à claridade
e eu em ti acontecendo
**
autor:jrg
22
Abr12

REVOLUÇÃO CÓSMICA !...

NEOABJECCIONISMO

REVOLUÇÃO CÓSMICA
***
sou mulher!!!
ah ah ah ah ah ah ah ah
sou mulher!!!
cuidem-se os agiotas e outros trafulhas
os políticos e maridos valentões
armados até aos dentes contra cidadãos
mulheres velhos e crianças
sou livre das amarras da história
sarei feridas humilhações
cansei do riso à socapa por me entenderem mais fraca
*
e agora???
*
sou simplesmente mulher
ou fêmea
adúltera bígama polígama lésbica
mas pura
serei o que eu quiser
o instinto de mãe e do prazer
sem luxúria nem lascívia
porque não tenho medo e reúno a coragem do mundo
erguerei bem alto
a bandeira flamejante do ser
*
acabou-se!!!
*
não há mais trocos nem prostitutas
nem favores
nem violência de estirpe duvidosa
nem a condescendênciazinha das quotas
nem da paridade dos sexos
nem os lugares de estimação por troca de silêncios
nem modas astutas
nem corrupções sensuais
nem trabalhos duplamente esforçados
nem cama mesa e roupa lavada
*
basta!!!
*
ouviram bem?
*
BASTA!!!
*
sou a fonte de onde brota a criação
sou a direcção dos ventos
sou o mar salgado a mina de água doce
sou o fogo que espalha fertilidade
sou a terra em movimento nos círculos etéreos da eternidade
sou a força de todo o pensamento
sou a mãe que pariu em dor suprema toda a gente
sou dócil de amor a quem me ama
sou o cheiro e o sabor que há na natureza
sou um animal no reino da animália
*
olhos nos olhos!!!
*
declaro iniciada a revolução
sobre as mentalidades desumanas mesquinhas
sobre as leis absurdas que escravizam
sobre a organização monoparental das sociedades
sobre todas as lideranças
sobre o medo e a violência dos poderes
sobre a manipulação dos gestos e das palavras
vamos a votos nas ruas
se o estado faliu está em bancarrota 
a nação é nossa vamos a ela
autor: jrg
(pária...apátrida...cidadão da MÁTRIA em construção...)
22
Abr12

DEUSA DO MAR ....!

NEOABJECCIONISMO
foto pública tirada da net
***
DEUSA DO MAR V....!
I
aceito o desafio
que minha amiga propôs
ao espelho a alma por um fio
até agir como os robôs
e sentir deslizar o sangue como um rio
*
II
olho a minha mão
tantas vezes dada solidária
o cabelo negro o bater do coração
acuso-me de ser apartidária
insuficiente do poder que alegra a multidão
*
III
já não estou em mim
do lado de fora a preferida dos machões
apenas vejo o fluxo dum jardim
onde me procuro a rasgo de emoções
raiva desassossego amor por fim
*
IV
ambas as mãos sobre espelho
sinto a coragem sobretudo a alma da coragem
aperto os dentes firme no orgulho
a inundar-me do meu sabor selvagem
a que não dobra o joelho
*
V
apetece-me chorar
porque me vejo na emoção do desalento
como onda atirada pelo mar
sou eu assim mesma toda pensamento
num mundo absurdo a entrar
*
VI
de súbito solto a gargalhada
procuro no outro lado do espelho a garra
esgadanho a esfinge moldada
quero afastar esta grilheta que me amarra
o riso como louca desvairada
*
VII
acalmo de mim enternecida
toco com os dedos ao de leve o meu sorriso
sou carente sinto-o mas renascida
afinal sou mulher e deusa se for preciso
amo a natureza e amo a vida
*
VIII
mimo-me faço-me caretas
toco o meu rosto de súbita efusiva alegria
toco nariz com nariz as silhuetas
de mim repentinas numa pausa ou a fantasia
de me pintar a cores sangrentas
*
IX
faço as pazes comigo
tão mais leve reposta que foi a confiança
olhos nos olhos posso contar contigo
dizes e queres abraçar o lado de lá a criança
espelho do teu ser em ti abrigo
*
X
os meus lábios quero beijar
saber-me a mim mulher tão infinita
dentro do tempo pura a desejar
que uma era nova seja por mim predita
vinda no vento ou no mar
*
XI
fazemos um pacto secreto
agora é a sério digo-me é para vencer
eu sou o mundo todo em concreto
porque vi a luz que faz a vida enfim valer
uma ideia de gente a sorrir e eu tão perto
*
XII
eis a mulher que sou à toa
visão de poeta se me assanho pior que gata
sou fêmea tigre chita leoa
defendo a IDEIA de ser maior em cada pata
para destroçar o poder que tem Lisboa
*
jrg
06
Abr12

OS POVOS NÃO PERDOAM AOS DÉSPOTAS!

NEOABJECCIONISMO
imagem pública tirada da net (Bad-Men  jpg)
*
OS POVOS NÃO PERDOAM AOS DÉSPOTAS!
*
quando Vítor Gaspar fala
olhos esbugalhados de gozão
palavras de sangue purulento
arrogante a julgar que nos entala
sai um vómito que desliza em jeito de oração
mas somos nós quem comanda o pensamento
que lhe vai exigir a paga que o não rala
*
já vi gente assim acagaçada
ridículos pedintes por misericórdia
Patrícios  Supicos Rapazotes
borrados de medo em frágil barricada
Caetanos Tomazes e mais mixórdia
que no poder eram tão fortes
e mais a corte unida pela razão apeada
*
ah quando os escravos se revoltam
e exalam da alma revoltada
a reposição do saque de toda a injustiça
não ouvem preces que provocam
nem vêem gestos de rendidos à alvorada
vai tudo à frente para que não haja mais cobiça
os povos não perdoam aos que na sua alma tocam
*
paragem fim de corte
não pode alguém ser digno humano
e permitir por mais tempo a tirania desta gente
o país está parado sem norte
entregue ao desvario dum poder insano
só quem não quer ver é que não sente
que o caminho que nos apontam é o da morte
*
pela vida pelo amor pelo humanismo
basta!!!sitiemos os sitiantes
*
autor: jrg
(pária...apátrida...cidadão da MÁTRIA em construção...)
06
Abr12

ESTÁ PRESTES A PARIR A NOVA ERA !

NEOABJECCIONISMO
foto pública tirada da net
*
ESTÁ PRESTES A PARIR A NOVA ERA !
*
ganharam fama 
sendo mulheres
de serem alcoviteiras
então que se acenda a chama
e proliferem entre alegres malmequeres
onde antes havia cuscas e rameiras
que haja pétalas brancas em nova rama
sussurrem agitação
formem correntes secretas
à porta à esquina na rua inteira
com amor...raiva emoção
estendam as mãos bem abertas
e atirem para a lixeira
quem vos mente e fere o coração
não sei se nós humanos
temos um código secreto
que determina vida ou morte
deve haver algum segredo que evita danos
quando um tirano ou acidente nos rouba o teto
e obriga a nossa alma a novo norte
venceremos sobre os poderes insanos
poetas poetisas de Portugal
poetas poetisas do mundo inteiro
cantem feminina a Primavera
porque a poesia é êxtase d'amor total
desçam dos pedestais venham a terreiro
cantem a glória da nova era
o mar é manso saltam sereias no areal
chega de enganos e mentiras
que uma leva de gente inunde os centros de poder
porque está na alma em construção
a nova humanidade do amor que respiras
mulher geradora de vida a romper
com os mitos que nos arrastam para a servidão
hoje dizes não!...à barbárie das quimeras!!!
autor: jrg 
(pária...apátrida...cidadão da MÁTRIA em construção)
05
Abr12

SOMOS O HOMEM !

NEOABJECCIONISMO
foto pública tirada da net
*
SOMOS O HOMEM
*
a terra é um planeta gigante
onde  mais que sete biliões
de crianças humanas brincam
ao traficante
sem saberem as regras do jogo 
uns por verem brincar outros com cifrões
outros a brincar a nada 
que tropeçam volta e meia no absurdo
da aresta dum farsante
que domina as regras em segredo 
*
crianças que giram girando
fazem roda à volta de complexas rotações
umas ingénuas imberbes aéreas
outras crescidas gritando
às que por não terem armas nem brasões
saem do jogo e vão de férias
indiferentes ao poder que estão gastando
*
a terra é uma bola em suspensão
nos abismos do éter vaporosos
tanto de tão profundos
tudo o que se sabe é de pouco valimento
eu que nasci e morro criança 
aprendendo
sem ter aprendido de onde e porque vim
preso na força que me a rodeia
desacreditado das razões humanas 
fraudulentas
*
fomos semeados é o que somos
sementes embutidas nas correntes marítimas
ou pequenas partículas de átomos
que segregaram poeiras germes e gazes
agrupados em constelações Zodiacais
depois em tribos
territórios nações impérios
divididos em sementes gradas e miúdas
famílias inteiras
até que divididas na repartição do ouro
*
nos tornámos num embuste animal
face à imensidão deste pequeno núcleo terráqueo
tomados pelo desvario da ambição
subvertemos valores
alteramos a ordem natural das coisas
porque somos os mais
na inteligência no consciente e na razão
não há ser nem acontecer
dominamos o saber e o conhecimento
somos o homem
*
ah ah ah que carinhosa loucura
somos um pouco de nada
amparados uns nos outros sem memória
à procura da nossa dimensão
a cada contratempo culpamos um deus
ou um diabo que inventamos
somos feitos de mentiras e enredos
*
batemos no vizinho por pura instigação
seguimos os de maior seguimento
que ninguém pense que somos uma aberração
temos medos...pois claro
porque nos sentimos avaros e tão sós
na partilha dos sentimentos
porque deixamos a árdua tarefa de pensar
a quem melhor usa os pensamentos
para nos amarrar a preconceitos de humildes serviçais
não basta parecer o homem é preciso ser o Homem
por um novo humanismo
autor: jrg
01
Abr12

OS SEIS SENTIDOS DA MULHER...

NEOABJECCIONISMO
****
OS SEIS SENTIDOS DA MULHER
******
olhar-se no espelho
e ver-se a si
activista da humanidade
não o rosto belo
ou feio
que os homens mimam com o olhar
ou rejeitam num trejeito
mas ver
um ser ainda ingénua
num mundo de fantasias reais
tantas vezes mergulhando
em absurdas contradições
tocar-se
*
sim o absurdo
olhos nos olhos
olhar-se
e rir-se
para lá do mar revolto
que angustia
quando queremos serenidade
os dedos pelo rosto
sentir-se a sentir
e pelo corpo
sentir-se a rir de dentro
golfadas de riso em lágrimas
ouvir-se
*
sem cremes de dia
nem de noite
sem pintura nos lábios
nem nos olhos
sem roupas extravagantes
nem lingerie sofisticada
sem saltos finíssimos
nem pedantes
sem submissão a deuses e machões
nem rivalidades possessivas
sem declinar a dimensão de mãe
nem o fascínio de ser mulher
cheirar-se
*
o sexo
o suor provocado pelo esforço
de não se saber
quanto de aventura quanto de excesso
ou de penúria
o hálito dos vermes que purifica
a mão em concha
ou o lábio inferior sobreposto
o ânus flatulências
amar tudo o cheiro menstrual
amar-se no seu desconhecido
às vezes desvirtuado por aromas inversos
saborear-se
*
a língua o sangue
o odor da vida e da morte
sobre a pele
que odores ao longo do dia e da noite
quando amamos
quando sofremos em silêncio
quando nos violentam a intimidade
quando amamentamos
ou no deleite dos prazeres
o beijo
lamber-se banquetear-se de si
apetecer-se plena infinitude
pressentir-se
*
pressentir
a falsidade a maldade
o acontecimento medido 
no sentido inverso do que se deseja
que caminho num labirinto
que ideia numa encruzilhada
pressentir o risco e decidir a confiança
ouvir o som do que dizem
cheirar a febre das palavras
tocar o arrepio
lamber a emoção
olhar bem dentro dos olhos
ter a sensação do devir
*
autor: jrg
24
Mar12

DEUSA...MÃE...MULHER...À TUA ESPERA...

NEOABJECCIONISMO
foto pública tirada da net
*
DEUSA...MÃE...MULHER...À TUA ESPERA
não é um culto ou religião é a esperança Terra
*
um gato mia na madrugada
um cão solta latidos lúgubres
morcegos esvoaçam agitados sob os telhados
não há pontos luminosos no céu
a noite é cinza de nuvens condensadas
os meus pés tocam o chão de negro
toco em vultos de arbustos entre árvores fantásticas
rumores de pássaros inquietados
África geme no silêncio da sua inquietude
"civilizada" a retalhos desnutrida
de comida de água e de valores humanizantes
sopra o vento de sudoeste
sôfrego de varrer a absurda calmaria
a Ásia emerge das profundezas
contraditada contraditória imersa em obscuros desígnios
vai chover... raios de luz... trovões...
penso na América...na Europa...em plena sintonia
sob o declínio inevitável da abastança
caminho sem rumo na rota cósmica da esperança
tropeço em preconceitos decadentes
falsos pudores abandonados à ética insolvente
o piar do mocho arrepia-me
ou será uma coruja agoirenta ou o chiar do vento
Oceânia porque me interpelas de tão longe?
um rato morto dissecado por um vai e vem de formigas
a chuva forte faz um ruído estranho
na folhagem no asfalto no oleado que me cobre
toca-me fria e húmida de silêncio
quebrado no chapinhar pausado dos meus passos
quantos terão sobrevivido?
crucifixos amuletos restos de religiões obsoletas
resquícios de certezas na enxurrada
há quanto tempo caminho na procura da esperança?
dizem-me os sonhos que se refugiou algures
que importa não haverá mais dias meses nem anos
tão só dia e noite sol e lua...estrelas...
e não apenas eu ou nós caminhando a par do tempo
que se regenera em pousio a fermentar
*
quando de súbito um facho de luz intensa na escuridão
me dá a ver da rota recta a dimensão
vultos femininos almas e corpos em passos gigantescos
quero gritar mas não ouço mais que o vento
Ana...Rita...Marta...Maria...Joana...Sofia...Edite...Conceição...
sufoco a memória dói-me o pensamento
Paula...Marisa...Raquel...Rosa..Isabel...Luísa...Leonor...
nem me adianta correr por mais que o faça ou grite não alcanço
mas saber que não vou só dá novo alento
hei-de chegar à meta nova de que almejo a projecção
*
autor: jrg
(pária...apátrida...cidadão da MÁTRIA em construção...)

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa útil - home - pesquisa avançada - últimos posts - tops / estatísticas direito de resposta - área de utilizador - logout informação - ajuda / faqs - sobre o blog.com.pt - contacto - o nosso blog - blog.com.pt no Twitter - termos e condições - publicidade parceiros e patrocinadores

Em destaque no SAPO Blogs
pub