Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

NEOABJECCIONISMO

O abjeccionismo baseia-se na resposta de cada um à pergunta: QUE PODE FAZER UM HOMEM DESESPERADO QUANDO O AR É UM VÓMITO E NÓS SERES ABJECTOS?- Pedro Oom .-As palavras são meras formalidades... O NEOABJECCIONISMO, n

NEOABJECCIONISMO

O abjeccionismo baseia-se na resposta de cada um à pergunta: QUE PODE FAZER UM HOMEM DESESPERADO QUANDO O AR É UM VÓMITO E NÓS SERES ABJECTOS?- Pedro Oom .-As palavras são meras formalidades... O NEOABJECCIONISMO, n

27
Dez11

LISBOA SITIADA...

NEOABJECCIONISMO

 

foto pública tirda da net

*

<iframe width="560" height="315" src="http://www.youtube.com/embed/nrJMavQgUf4" frameborder="0" allowfullscreen></iframe>


*

LISBOA SITIADA...

*

imagino Lisboa sitiada a transbordar

da alma cheia de país

vêm de sul Algarve da raia e Alentejo

do interior e rés ao mar

da beira à revelia do tempo douto juiz

amontoados em cortejo

**

não pagam nem coimas nem portagens

vêm a pé ou de carroça

de bicicleta à vez da alma indignados

no desacerto das miragens

trazem olhos de esperança que destroça

o medo incutido aos deserdados

**

sob escolta agressiva de carros de combate

o olhar firme lábios cerrados

vêm pedir contas ao mundo escalavrado

que os tem como gado para abate

galgam caminhos por estradas e montados

povo guerreiro do amor achado

**

Lisboa transborda de corações a arder

também do norte e emigração

um sussurro de vozes suores e cansaços

de gente maior que afronta o poder

agitando a chama incendeia a revolução

contra o cinismo dos devassos

**

e de repente sobre um silêncio extasiante

irrompe uma voz num cântico

sob uma sinfonia poderosa de encantamento

vem do lado do rio ou a montante

deste mar de gente que se levanta autentico

livre de ser seu o alto pensamento

**

"erguidos os povos

sob a falência dos desígnios

de absurdos nacionalismos

com que nos encheram

consciências

carregaram de ódios

vinganças morticínios 

e nos dividiram em lotes de subserviência

a uma ordem invertida

em nome de falsas 

segurança justiça partilha

*

e outra e outra tantas outras tantas

*

levaremos de vencida

a ganância a hipocrisia o medo

a inveja e o poderio avaro

dos que manipulam a riqueza

e construiremos um mundo

novo sustentado

de realidade transparente

muralhado de amor

solto de preconceitos e segredos

onde a alma humana 

seja um todo da natureza

*

figuras magníficas exuberantes do belo

*

de pé companheiras

porque são femininos os tempos novos

alerta companheiros

o tempo dos guerreiros já findou

tudo o que é supérfluo

que nos foi incutido por malícia

no luzir da decadência

a especulação do corpo da mulher

a violência sobre as crianças

a terra queimada

a extinção de espécies derradeiras"

*

erguidas como deusas sobre o mar de gente

*

eram vozes poderosas galopantes

de tenores barítonos

e sopranos em mágico movimento

surgindo como por encanto

envolvidos na música e por ela arrebatados

devolvendo a energia aos sitiantes

*

"de pé erguendo a era nova da mudança

sobre os fragmentos dispersos

do poder servil prepotente patético

vitima voraz da sua ambição

o que trazemos de novo é o humanismo

na sua real e pura dimensão

onde cada ser vivo tem um papel importante

abolidas todas as guerras

e o direito de expansão da vil riqueza

o que trazemos é a liberdade

inteira de viver a paz o amor a fraternidade"

*

suspenso dum Zepelim o maestro exultava d'alegria

*

e o mar de gente numa maresia de silêncio

tocada pelo eco da memória

pôs-se lentamente em convulsivo movimento

tomou por asfixia decrépito e néscio

o poder da mentira recolhido em falaciosa oratória

implantou  audaz o pensamento

**

Lisboa perante tanto país em fúria capitulou

sem honra sem dignidade ou nobreza

pediram clemência os facínoras mal-feitores

à ópera que a todos empolgou

e logo ali em manifesto sim se aboliu tristeza

porque a era nova é dos amores

*

autor:jrg

25
Dez11

UM PASSO NA CONSTITUIÇÃO DA MÁTRIA...

NEOABJECCIONISMO

foto pública tirada da net

***

UM PASSO NA CONSTITUIÇÃO DA MÁTRIA...

«««//»»»

 

sete mulheres formam uma molécula... são - 7
cada sete moléculas formam uma célula.. são - 49
cada sete células formam um gene.... são - 343
cada sete genes formam um ovário... são - 2.401
cada sete ovários formam um cromossoma.. são - 16.807
cada sete cromossomas formam um útero... são - 117.649
cada sete úteros formam um coração... são - 824.143
cada sete corações formam um cérebro... são - 5.769.001
dois cérebros formam a alma MÁTRIA... são -11.538.002

**

sete mulheres ateiam fogos
sete moléculas debitam energia
sete células refazem raízes
sete genes expandem memórias
sete ovários geram humanismo
sete cromossomas mudam a história
sete úteros educam gerações
sete corações espalham o amor
dois cérebros consolidam a paz

**

usaremos o conhecimento e a sabedoria
para que cada um tenha sua parte
comeremos da terra e do mar o que der
não toleraremos o roubo ou morte
mas cuidaremos das crianças e ineptas
cultivaremos bom senso harmonia
na deriva transparente do entendimento
aboliremos o dinheiro o ouro o ter
causas maiores da decadência humana

**

cuidaremos das árvores das plantas coloridas flores
protegeremos as espécies animais
as ribeiras os riachos os rios os lagos a beleza do mar
incitaremos as artes à irreverência
unidos à MÁTRIA e pela MÁTRIA mãe sem preconceitos
simplificaremos dos actos e das palavras
o sofisma dos enredos de complexa interpretação
por um novo e lúcido humanismo
onde a vida seja o princípio e o fim da consciência

**

autor: jrg

08
Dez11

MULHERES PARIRAM...O NOVO HUMANISMO !...

NEOABJECCIONISMO
imagem pública tirada da net
***
MULHERES PARIRAM O NOVO HUMANISMO!...
*
um grupo colorido de mulheres
ali de tanto pensantes
num monte de tempo acobertadas
em pétalas de malmequeres
tão belas de si almas amantes
olham estrelas douradas
chamam ventos evocam os saberes
**
movem-se no silêncio recatado
solenes de magia
espalham fluidos de esperança
sobre o mundo acocorado
regurgitam da memória a sabedoria
como se fora uma criança
num grito de amor bem temperado
**
em forma de nuvens adejando
sobre corpos inquietos
concebem nortes seguros arrojados
mulheres livres em bando
a pensar nos filhos de todas e nos netos
dentro do tempo enrolados
umas vezes rindo outras chorando
**
onde as sombras da noite escorregam
um fio de luz ainda rutila
de dentro dos olhos que se fixam na rotura
almas novas que almejam
rumos novos no vento que ao rugir sibila
rumores da nova era nascitura
sobre os vermes masculinos que rastejam
**
na friagem da noite intrusos expectantes
sobre seus próprios despojos
perdidos incredíveis sem lei que suporte
mais desmandos aviltantes
patriarcas usurpadores sem arte nos arranjos
que perpetraram sem norte
a submissão dolosa das amantes
**
pensam no topo do tempo esplendorosas
na derradeira aventura
entre flores e florestas à sanha poupadas
entre vento e mar venturosas
sobre o clamor de gente carente de ternura
pujantes de força saudadas
mães de toda a criatura delas saudosas
**
em seus ventres de orgulho embevecidas
preparam o tempo de parir
os genes a nova gesta de raiz humanitária
mulheres coragem bem vindas
consciências da memória colectiva a agir
sobre a teia do homem sanguinária
sedento de mais tantas guerras fratricidas
**
dissipa-se a bruma o sol resplandece
em feminino amanhecer
que azáfama...deusas sem trono nem descanso
há tanto que fazer o sol aquece
um novo humanismo espalha amor prazer
as aves chilreiam o mar é manso
cheira a Primavera o Planeta agradece
**
autor: jrg
12
Nov11

POR UM NOVO HUMANISMO...

NEOABJECCIONISMO
imagem pública tirada da net
*
POR UM NOVO HUMANISMO...

*
Assim como a mulher tantas vezes cala a violência física e psicológica que a vitimiza da sua dignidade, face à indiferença da justiça que condena o agressor à proibição de se aproximar da vitima..., como se fosse racionalmente possível proibir o lobo de se aproximar do
cordeiro, também a abstenção nos diversos actos eleitorais, é a forma silenciosa de protestar um sistema que, de mudança em mudança, de crise em crise, se afunda e se aproxima da falência sistémica de que se consubstancia...dentro do conceito Patriarcal das sociedades
humanas...
*
A situação social que se vive hoje em Portugal é ultrajante e deriva dos preconceitos globais quanto à forma do ser...sendo que o ser se desenvolve em consonância com o aspecto envolvente com que se cruza...limitá-lo...circunscrevê-lo em asfixiantes conceitos, é uma forma de desumanizar a espécie...condenando-a à extinção...
*
Os conceitos e os pré-conceitos, têm o valor que a oportunidade lhes confere...na lei são litigados em nome de novos valores que se citam no momento e da estabilidade política e social das Nações...alteram-se segundo a conveniência da interpretação...ao ponto de hoje termos em Portugal um presidente da república , eleito por menos de metade da população...um governo eleito por menos de metade da população...uma assembleia legislativa eleita por menos de metade da população...desconsiderando-se aqueles que se abstiveram, por descrença no sistema mas que não têm uma alternativa credível que possam sufragar...ao mesmo tempo que se aplaude os que se abstêm de votar contra, na farsa de votar os instrumentos de tortura orçamental, dignos do esclavagismo...
*
É porque penso na inevitabilidade duma nova forma de humanismo...onde a mulher...ou MÁTRIA assuma a sua inteireza humana, num sistema geneticamente justo de matriarcado que vos proponho a reflexão profunda da humanidade, desde as suas mais remotas origens conhecidas....A MÁTRIA é uma revolução das mentalidades...é o passo seguinte a esta complacência masculina de igualdade de género, na generalidade...mas sob domínio Patriarcal na sua singularidade...
*
O passo seguinte é a abolição total do conceito masculino da história...preparar, discutindo, uma constituição  que reconheça a alma humana no seu todo, como parte da administração da humanidade...uma constituição que contemple na sua essência, a dimensão feminina no seu todo, porque só a mulher gera e cria toda a criatura...uma constituição saída da discussão pública e não confeccionada no recato dos gabinetes...uma constituição onde homens e mulheres sejam uma só alma em defesa dos direitos humanos fundamentais e no respeito pelos valores da natureza inter-planetária...
*
autor: jrg

05
Nov11

A CAVERNA DA SOLIDÃO...

NEOABJECCIONISMO
imagem pública tirada da net
**
A CAVERNA DA SOLIDÃO
**
um homem caminha sozinho
sem rasto deixou a tribo
onde nada mais o alimenta
metido num remoinho
leva água dor e pão de trigo
já que a morte não atenta

cansou de viver amansado
na ordem que esconde a vida
salvou-se num agueiro
um dia pelo gás foi atentado
nem a guerra atrevida
quis da morte um ser inteiro

roubaram já no fim a dignidade
que todo o homem tem
lutou com os meios mais ousados
sucumbio à desumanidade
de quem abjurou a própria mãe
fez das trevas seus pecados

procura na montanha antiga
do tempo da infância
a gruta ou caverna disfarçada
a ver o mar e a restinga
perfumado o ar de tal fragrância
a serenar a alma libertada

podia ter-se pelo fogo imolado
ou que a fome o mendigasse
podia ter semeado o pânico na cidade
seria preso talvez julgado
nada que a solidão atormentasse
o ser livre em plena liberdade

lá está intacto ainda o seu reduto
no horizonte o mar inteiro
fixa-o até que doa o alagamento
e pensa meditando o atributo
que é ser na solidão como um rafeiro
indiferente ao chamamento

a caverna é ampla está imunda
pejada de dejectos absurdos da civilização
por testemunho ali deixados
do homem que agora livre nela se afunda
entregue a alma à meditação
sobre despojos de sonhos inflamados

em volta há restos de lavoura
figueiras vides dispersas abandonadas
cantam as aves hinos de alegria
um riacho escorre pela terra duradoura
não há tempo nem horas prolongadas
viver agora é pura fantasia

não fazia sentido ser vitima da desordem
coberto pelo medo ao adormecer
manso ou soberbo no limiar dos sonhos abstractos
prisioneiro de conceitos que absorvem
a humanidade fria e sangrenta a se anoitecer
na revolta submissa de segredos intactos

junta gravetos acende o fogo à moda antiga
dois paus entrelaçados na memória
porque faz frio a noite desce do tempo em harmonia
já se não vê no mar a coroa da restinga
um homem só não faz girar a vida nem a história
mas pode escolher morrer sem agonia

ah fiquem com o ouro todo as propriedades
teias que teceram tão manhosas
os escravos romperam subtis lianas e grilhetas
livres das correntes saquearam cidades   
os detentores das verdades hipócritas ardilosas
jazem nas bermas de praias lamacentas

o homem voltou à pacatez da caverna
um brilho nos olhos da loucura
em fundo o mar azul aquém do horizonte
enroscado na sombra de árvore eterna
aspira com sofreguidão o cheiro da brisa pura
e deixa correr o pensamento a monte

autor: jrg
22
Set11

QUE OUTRO PAÍS É ESTE ?...

NEOABJECCIONISMO
foto pública tirada da net
*
QUE OUTRO PAÍS É ESTE?...

«««//»»»

que outro país é este
que ouço tão perto a gritar
se há sondagens que dizem
que há quem confie nesta peste
de governo a governar
mentindo em tudo o que dizem?

olho o silêncio das ruas
leio apelos pungentes desesperados
jovens curvados sem alegria
discursos sem chama palavras nuas
velhos mendigos envergonhados
sem prosa sem amor nem poesia

que outro país é este
que naufraga sem tábua de salvação
se há sondagens que afiançam
que uma maioria celeste
verdade ou pérfida manipulação
aprova que nos empobreçam

procuro entre a bruma entender
dói-me a memória na luz da consciência
estava tudo tão fácil nem pensar havia
o crédito não parava de crescer
esconjuramos o medo sem prever a insolvência
dum sistema condenado à revelia

que outro país é este
sem deus sem pátria nem emoção
se há sondagens que o definem
como uma maioria agreste
que vê neste governo a salvação
para os males que a outros afligem

apetece-me um vómito
até que a bílis amarelada seque a excreção
a entender Pavese Pessoa
e tantos notáveis ou anónimos de fim insólito
enojados desta perversa encenação
que na milenar memória ainda ressoa

que outro país é este
que se deixou por mentes frias penetrar
se há sondagens que o mostram confiante
afogado nas medidas que reveste
a insensível condição de governar
para um abismo do absurdo mais adiante

autor: jrg

22
Nov10

MEU SONHO...

NEOABJECCIONISMO

 

o meu sonho é ser duma só pátria

onde a alma pura se evidencia

e não o ser da língua povo ou pária

que na dor me e te silencia


o meu sonho é ser de toda alma humana

no Universo total a expressão

que não se esgota na mente insana

é sangue que bombeia o coração


o meu sonho é amar a alma Universal

onde a Pátria da língua gera a violência

e não este silêncio mesquinho ritual

em que mergulha a falsa independência

 

o meu sonho é erradicar o medo

desde há milénios na alma instalado

o que cala a verdade no segredo

ainda que viva nesta Pátria exilado


o meu sonho é transformar o mundo

catalogado em números adversos

numa só Nação onde o amor profundo

liberta de conceitos complexos


o meu sonho é plantar na alma a esperança

criando raízes profundas intemporais

que floresça em cada sorriso de criança

e resista sem lesões aos vendavais


o meu sonho é ser homem pleno por inteiro

amante de mim e de toda a natureza

apelo ao consciente da minha inconsciência

que me revele o mistério verdadeiro

porquê a alma assume tão tanta beleza

quando se despe e nua mostra a sua essência
jrg

13
Nov10

AUNG SAN SUU KYI

NEOABJECCIONISMO

quero saudar a libertação
ainda que efémera realidade
duma mulher vitima da ocupação
da violência sobre a liberdade

não quero ter dúvidas acreditar
que amor em Birmanês
significa o mesmo sentir amar
que é sentido em Português

quero não sendo o primeiro
espalhar amor daqui por este povo
a despertar no homem inteiro
a alma deste mar em que me movo
jrg


03
Nov10

SAKINEH - ( IRÃO )

NEOABJECCIONISMO

 


uma mulher é condenada
a morrer por apedrejamento
pelo crime de adultério
a turba junta as pedras da calçada
alucinados pelo ajuntamento
gritam palavras contra o impropério

{#emotions_dlg.orangeflower}

o corpo dela encolhido sem apelo
um último olhar de súplica à multidão
os olhos doces de quem ama ser
por um momento o quebra gelo
que rompe da barbárie a solidão
apadrinhada por um sórdido poder

{#emotions_dlg.blueflower}

levantam-se vozes no mundo inteiro
porque a mulher é o ser supremo
gera e cria toda a criatura humana
não há ciência nem dinheiro
que altere a dimensão por isso tremo
impotente de travar razão insana

{#emotions_dlg.bouquete}

é apenas um corpo só de uma mulher
a alma dela ilesa fixa o mundo
chovem as pedras no corpo que atormenta
nem um grito no seu silêncio de sofrer
os olhos abertos procuram ver ao fundo
quantas das pedras frustração que acorrenta

{#emotions_dlg.blueflower}

pego na alma de SAKINEH amortalhada
levanto o estandarte do amor
vou de povo em povo dentro do poema
pelos lugares na Terra onde a mulher humilhada
seja tida como a mãe que resiste à dor
livre do preconceito e da algema

{#emotions_dlg.redflower}

autor: JRG

14
Out10

ESTA GENTE QUE SOMOS...PORTUGAL!... - II

NEOABJECCIONISMO

nascemos pobres ou ricos tanto faz
se educados somos meninos da mamã ou do papá
viver em tanta fartura e não ter paz
é dos genes ou cromossomas mutações na hora H

se pobres somos corrécios gentinha Zé povinho
carregamos a tragédia ou coitadinhos
apodamos os ricos de ladrões entre pão e vinho
na tasca onde ganhamos coragem sozinhos

sendo no trânsito os melhores condutores
vociferamos aos lentos e faltosos
descobrimos nas filas invisíveis corredores
os outros é que são os criminosos

chegar primeiro à posição mais conveniente
pisar fraudes e canteiros de flores
corromper para ganhar perdendo a demais gente
desgastar a vida em copos e amores

ter um negócio legal quase falido
estabelecer uma corrente de economia paralela
impostos paguem os tansos sem bramido
a honra é uma aparência e a crise uma balela

há todavia em rigor uma só situação
em que nos empenhamos intrépidos palradores
no futebol na politica não abrimos mão
somos árbitros legislamos e exímios treinadores

subir à cunha que a pulso faz doer o cotovelo
defendemos o produto enganamos o parceiro
agiotas de moeda e pensamento somos com zelo
cada um é em si mesmo por demais porreiro

no amor somos de natureza os melhores amantes
colmatamos as fraquezas com a violência
na rua beijos em casa indiferença entre estantes
as mãos e as palavras perdem paciência

somos em multidão gente invejosa e enfurecida
seguimos o mote do que parece mais forte
perdemos sempre salva a desproporção devida
mas cantamos vitória seja no sul ou norte

o que mais me impressiona nesta nova Lusitânia
é a falta de unidade em torno do bem comum
os sábios zarparam todos com medo desta insânia
que a inveja e a usura tornaram ad eternum

autor: jrg


Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa útil - home - pesquisa avançada - últimos posts - tops / estatísticas direito de resposta - área de utilizador - logout informação - ajuda / faqs - sobre o blog.com.pt - contacto - o nosso blog - blog.com.pt no Twitter - termos e condições - publicidade parceiros e patrocinadores

Em destaque no SAPO Blogs
pub