Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

NEOABJECCIONISMO

O abjeccionismo baseia-se na resposta de cada um à pergunta: QUE PODE FAZER UM HOMEM DESESPERADO QUANDO O AR É UM VÓMITO E NÓS SERES ABJECTOS?- Pedro Oom .-As palavras são meras formalidades... O NEOABJECCIONISMO, n

NEOABJECCIONISMO

O abjeccionismo baseia-se na resposta de cada um à pergunta: QUE PODE FAZER UM HOMEM DESESPERADO QUANDO O AR É UM VÓMITO E NÓS SERES ABJECTOS?- Pedro Oom .-As palavras são meras formalidades... O NEOABJECCIONISMO, n

29
Jun12

BREVE EXORTAÇÃO AOS PENSADORES!

NEOABJECCIONISMO
imagem pública tirada da net
*
BREVE EXORTAÇÃO 
AOS PENSADORES...
*
à velocidade que corre
o tempo de pensar se fez algo fugaz
a máquina suplanta a mente
resolve a dúvida na incógnita que não morre
não dói nem luta pela paz
que o pensar reclama quando a alma sente
o quanto a consciência sofre
*
se ainda assim alguém
que insiste e de pensar não se desdenhe
rasga no tempo a brecha que engana
logo a multidão mecanizada por indiferença tem
um gesto que despreza a ideia prenhe
retardando o ultimar da renascença humana
filha dum tempo fértil que aí vem
exorto pois os pensadores
sublimes da alma em sã loucura
a vencerem cálculos da inércia
neurónios à frente impondo-se aos temores
plantando na ideia outra postura
que a distancie dest'outra pobre e néscia
e retome do homem os seus valores
exorto os cientistas do pensar
a romperem neste silêncio de impotência
sem medo do risco da vaia insana
por um planeta saudável no cosmos a adejar
no abismo sem fim da consciência
onde o desespero sem voz da alma humana
procura uma saída sem achar
exorto todos os amantes
das artes tão nobres do pensamento
ao exercício urgente de pensar
o que fazer quando a barbárie de instintos tão gritantes
invade de tristeza e vão lamento
em contra mão com a luz a rutilar
a alma dos povos seus mandantes
autor: jrg
26
Jun12

AMAR NÃO CANSA!

NEOABJECCIONISMO
imagem pública tirada da net

**
AMAR NÃO CANSA
***
dizes que és velha
que estás velha
e eu vejo-te tão menina
serão os meus olhos
ou os espelhos onde te vez
que mentem?
*
os teus lábios ainda me sabem
a frutos maduros
os teus odores ainda me excitam
libertinas emoções
tão lindos são os teus olhos
luminosos de ternura
*
dizes... não vês as rugas
de tão profundas
a pele sem brilho envelhecida
o coração cansado
a alma sem chama quem a quer
sou estrela já cadente
*
a tua pele fresca macia
é o que eu vejo
o encanto dos teus passos
teus seios o meu fascínio
teu lume queima quando te toco
o coração palpita embevecido
*
dizes que sou louco desvalido
sobrevivente em poesia
a beleza da flor está no viço
com que irrompe
pela nudez ao centro do jardim
se murcha é tempo de morrer
*
sinto por ti tanto carinho
o desejo a fermentar
na alma tua e minha nosso alvor
só espero o teu sinal
que ilumina teu rosto de luz diferente
e deixa o coração s'enamorar
*
dizes que te dói o movimento
quando o amor nos queima
e o desejo se instala docemente
sejamos justos com o tempo
somos de viver assim enamorados
tão bela dentro e fora do sorriso
*
amar não cansa tão de tanto
nem a dor persiste ao sentimento
a idade tem a cor do arco íris
meus olhos te vêem jovem além do tempo
haja o que houver contigo sou feliz
ainda nos falta o jeito para então morrer
*
dizes que está tudo quase feito
nada mais falta viver
mas trazes ao colo novos enxertos
que reclamam a tua infinitude
nosso amor é para durar eternamente
ainda que seja noutro pensamento
*
autor: jrg
23
Jun12

DO OUTRO LADO DA VIDA...Convite - lançamento- Corda Bamba...

NEOABJECCIONISMO

 

imagem Pastelaria Estudios Editora

*

DO OUTRO LADO A VIDA…
*
Era tão de noite, alta madrugada e vieste, silenciosa como um felino, de manso caminhar por entre escombros, ruínas, da velha cidade adormecida. Tu e eu, num recanto da rua mal iluminada.
Os teus olhos ainda grandes, mal me olham, assustados. A pele do rosto descuidada e manchada pelo cisco das poeiras adejantes, sobre os antros onde te arrastas. Magra, diria escanzelada, enferma de carinhos e de ambição.
O sistema traiu-te e tu trais o sistema. Pagar na mesma moeda. Dente por dente. Sem olhar atrás nem para a frente nebulosa do caminho. Para ti, chegaste ao termo da etapa que para outros ainda é tão curta
Amparas-te no meu braço enquanto caminhamos lado a lado como dois amantes estranhos que tivessem combinado encontrar-se a esta hora, no momento estremo em que deambulavas na ânsia de encontrar algo, alguém que te bastasse o consumo da tragédia que já és.
Penso-te...que faço eu a teu lado? Do lado de fora de ti mulher…apenas te olhando no íntimo da tua ansiedade. 
Deixo-te sentada no carro e volto à porta do bar. Não ao Bar. Apenas a porta, onde um tipo de assobio saltitante, a barba indigente, puxa fumaças agressivas de uma espécie de cigarro.
Compro três tomas do produto que me indicaste e regresso ao carro em passos decididos. Tenho pressa.
Estás inclinada para a frente e uma humidade indecisa a bailar-te, escorrendo dos lábios entreabertos. Caíste sobre o banco. Tremes de alucinações. Balbucias palavras inteligíveis. Arranco com o carro, tenho pressa, enquanto preparas o produto e o injectas numa das veias disponíveis, sob o meu olhar de soslaio. 

 

...


Nota:excerto do texto de minha autoria, uma pitada do recheio que envolve esta iguaria de emoções...reservem já o vosso exemplar...com a dinâmica da editora...a edição esgota-se num ápice...jrg

10
Jun12

TENHO SETE BILIÕES DE AMIGOS...

NEOABJECCIONISMO
imagem pública tirada da net
*
TENHO SETE BILIÕES D'AMIGOS
*
tenho sete biliões d'amigos
entre os humanóides
e muitos mais de espécies tão diversas
às vezes espreito as estrelas
do lado de fora a ver se vejo outra gente
numa órbita de amor
livre da sordidez apática financeira
*
tenho sete biliões de amigos
tantos tão diferentes
à deriva no celeste firmamento
uns têm pão e água
outros à mingua de alimentos
temos de comum ser na alma
uma criança que ainda não se achou
*
tenho sete biliões de amigos
cada um à procura de motivo para viver
uns são poetas pensadores ou seus contrários
outros são algozes de si mesmos
enredados nas teias de divinos medos
todos vivemos suspensos
da lei gravitacional e da memória
*
tenho sete biliões de amigos
encarcerados no degredo da humana história
divididos por mesquinhas uniões
que potenciam o ascenso de aldravões
destruindo muitos reinos naturais
em nome da mítica inteligência racional
que encobre
*
tenho sete biliões de amigos
à procura de resposta à sua identidade
uns sabem muito de tudo outros de nada
equilibrados por ligações fantasmagóricas
elegemos o ouro como riqueza metafórica
uns esbanjam o ar a água a terra fértil
outros ardem no fogo dos desertos
*
tenho sete biliões de amigos
ah se todos acorressem por um só de tantos sete
e num mítico apelo da razão
uma forma nova de viver reinventassem
onde cada um do outro seria irmão
onde todos acatassem a ordem natural das coisas
plantas mares animais ventos
*
tenho sete biliões de amigos
todos gerados num ventre duma mulher
todos nasceram nus
todos gritaram por comer por protecção e por afectos
que racionalidade os dividiu
em pobre e ricos? que deus ou por que lei?
se todos nasceram tão frágeis
*
tenho sete biliões de amigos
em toda a parte quero que sintam o meu amor
também pelos elefantes leões golfinhos
pelos cães gatos macacos tigres e tubarões
pelos rios mares serras e montados
florestas glaciares plantas e cidades entre as flores
o único poder que reconheço é o da força de viver
*
autor: jrg
02
Jun12

INTEMPORAL...

NEOABJECCIONISMO
foto imagem de Paula Pereira

*
INTEMPORAL
*
choveram estrelas
dos teus olhos
palpitaram pálpebras
ainda o dia era sol
e a lua um rosto fantasmagórico
reflectida no mar de maresia
quando um beijo abalou o corpo teu e meu
sôfregos ambos os lábios
as narinas arfantes de odores
sob o eco da rebentação de que mundo?
lembro-me do abandono relaxante
no vácuo do silêncio
depois morremos
abandonados um no outro
autor: jrg

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa útil - home - pesquisa avançada - últimos posts - tops / estatísticas direito de resposta - área de utilizador - logout informação - ajuda / faqs - sobre o blog.com.pt - contacto - o nosso blog - blog.com.pt no Twitter - termos e condições - publicidade parceiros e patrocinadores