Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

NEOABJECCIONISMO

O abjeccionismo baseia-se na resposta de cada um à pergunta: QUE PODE FAZER UM HOMEM DESESPERADO QUANDO O AR É UM VÓMITO E NÓS SERES ABJECTOS?- Pedro Oom .-As palavras são meras formalidades... O NEOABJECCIONISMO, n

NEOABJECCIONISMO

O abjeccionismo baseia-se na resposta de cada um à pergunta: QUE PODE FAZER UM HOMEM DESESPERADO QUANDO O AR É UM VÓMITO E NÓS SERES ABJECTOS?- Pedro Oom .-As palavras são meras formalidades... O NEOABJECCIONISMO, n

16
Fev24

DISSESTE-ME...!!!

NEOABJECCIONISMO

 

Este poema foi escrito para a primavera de 2015
Que nos livraria do terror da governação PSD...PAF
ALIANÇA TOTALITÁRIA...
 
DISSESTE-ME...
*
disseste-me
que em Março era Primavera
e faltava tanto tempo
contei os dias que pareciam anos
e eram apenas dias
mas sendo tantas as palavras e os actos
que torturavam minha alma
eu que temia não ter tempo de alcançá-la
mitigado na afronta
que o poder dos deuses me infligia
*
disseste-me
que uma nuvem de esperança
um novo humanismo
vestido com a sabedoria feminina
aniquilaria os tiranos
com um toque cósmico de consciência
olhei o céu segui
a rota dos ventos de correntes de marés
e eram negras as nuvens
no silêncio compacto do meu grito
*
disseste-me
não desistas nunca de sonhar
sem dizer que sonhaste
não vá o papão acordar e taxar os teus sonhos
ergue um muro de coragem
à volta das oníricas instantes imagens
aperta mãos cinge corações
agita pensamentos almas profecias
onde houver gente a dormir
ateia fogos de revolta que fertilizem liberdade
*
disseste-me
que em Março renascia a Primavera
sublime de encanto paz amor
envolta num sol resplandecente de luz
rompendo a treva o pesadelo
mas tarda estou descompensado em agonia
faminto de decência e de justiça
carente dos valores que dão sentido à vida
apetece-me não ser desta espécie
emigrar a alma deixando o corpo apodrecer
*
disseste-me
não partas precisamos de ti à mesa
onde celebraremos a vitória
envenenámos o sangue que eles nos beberam
não tarda suplicarão a sua morte
vomitarão a nossa dignidade que engoliram
asfixiados na mentira
precisamos de ti no banquete à despedida
na toca das feras desavindas
põe a mesa e dispersa o pão e a água
*
disseste-me
bem te ouvi amiga vigorosas as palavras
mas eu já estava amortalhado
amanhã seria já tarde porque era ontem o tempo
da orgia sangrenta à liberdade
abriste um hiato na treva que então me levava
átomos de luz catárticos
porque eu era como os demais desesperados
eu era o desperdício
pela bandidagem de governo descarnado
*
disseste-me
levanta-te a Primavera está à tua espera
refulge no acordar da madrugada
tantas amigas em volta me encarnando
era delas o pensamento novo
lusas gregas d'itália francesas e espanholas
eslavas hindus americanas chinocas
árabes oceânicas numa tela gigantesca a adejar
acreditei de novo agora com sentido
era de África o som que ouvia vindo do passado
jrg/SamuelDabó
***
Poema inserido no livro "A Insurreição das PALAVRAS" de João Raimundo Gonçalves, edição 2013 Edições Vieira da Silva.
foto jrg
Nenhuma descrição de foto disponível.
 
 
 
 
 
01
Jan24

BOM ANO 2024!!! PARA AS PESSOAS DE TODA A HUMANIDADE!!!

NEOABJECCIONISMO

FELIZ ANO 2024!!! PARA TODA A HUMANIDADE!!!

 

 Em jeito de balanço, quero dizer que o mundo está num desespero angustiante..à beira do Abismo anunciado...a ética, o humanismo, a seriedade de atitudes, estão desfeitas...substituidas pela intriga, a ganância, o golpe sórdido sobre os adversários...

O Cinismo dos que condenam umas guerras em detrimento de outras, sendo que são eles que fornecem as armas e o potencial bélico, além do tempo de agir.

Desejo que as pesoas acordem para uma solução que pernita a continuidade da vida no Planeta Terra.

PELA PAZ!,.. PELO AMOR!...PELA HUMANIDADE E PELO HUMANISMO!...

BOM ANOI 2024!!!PESSOAS DE TODA A HUMANIDADE!!!

JRG

Sol posto.jpg

08
Mar23

SER MULHER É SER A CONSCIÊNCIA DA HUMANIDADE

NEOABJECCIONISMO

rosas.jpg

SER MULHER É SER A CONSCIÊNCIA DA HUMANIDADE
*
saúdo todas as Mulheres do Mundo
e incito-as ao aprofundamento
da substância ativa
que é a sua Consciência de Humanidade
*
porque só a Mulher acolhe a vida
dentro do seu corpo
e lhe dá sustentação para existir
porque Ser Mulher
é Ser a criadora de toda a criatura
respeitemos a sua dignidade
*
deram-lhe um dia universal por ano
tentam corrompe-la com a lei das paridades
mas ela é a primeira dignidade dos Humanos
sem ela não há Humanidade nem Humanismo
jrg

12
Jan23

SE UMA ESTRELA DO CÉU VIESSE!!!

NEOABJECCIONISMO
 
 

POR DE SOL.jpg

por de sol na Caparica

foto jrg

 
SE UMA ESTRELA DO CÉU VIESSE!!!
 
 
 
 
 
 
 
 
 
01
Mar22

PAZ!AMOR!HUMANIDADE! PALAVRAS QUE MARTELAM A MEMÓRIA

NEOABJECCIONISMO
Nenhuma descrição de foto disponível.
 
PAZ!AMOR!HUMANIDADE!
PALAVRAS QUE MARTELAM A MEMÓRIA
*
martelam-me a memória
os sons da guerra
as populações em fuga espavoridas
o rebentar dos tímpanos da história
nas entranhas da terra
algumas décadas volvidas
*
martelam-me a memória
mulheres e crianças
sempre elas à procura dum abrigo
protagonistas sem glória
de guerras e tragédias às avessas
o choro do medo mexe comigo
*
martelam-me a memória
imagens de populações indefesas em fuga
na palestina na síria no iraque
em áfrica na ásia na europa ou na oceania
meus olhos choram a testa enruga
perante a frieza do ódio contra a ucrânia em choque
*
martelam-me a memória
o desespero a fome o frio apática errância
nos olhos de crianças pasmadas
perante a impotência da lei que premeia a escória
o despotismo que glorifica a ganância
a indiferença que demora ajuda às pessoas desesperadas
*
martelam-me a memória
as palavras que chantageiam com o poder atómico
proferidas por mentes tresloucadas
mentes criminosas que almejam também elas a vitória
é preciso varrer o lixo autocrático
dos que ciclicamente partilham demências sufocadas 
*
jrg 
 
Nenhuma descrição de foto disponível.
19
Jan22

OS VAMPIROS EM PORTUGAL E NO MUNDO SOPRAM VENTOS DE GUERRA!

NEOABJECCIONISMO
OS VAMPIROS EM PORTUGAL E NO MUNDO
SOPRAM VENTOS DE GUERRA...
VOTEM PELA PAZ! PELO AMOR!...PELA HUMANIDADE!...
*
PELO HUMANISMO...
*
que ninguém se engane...
que ninguém lhes abra as portas à chegada...
porque eles estão raivosos e sedentos do nosso sangue...
porque "eles comem tudo...eles comem tudo... e não deixam nada!!!"
jrg

 

14
Jan22

AS "DESCOBERTAS" - O COLONIALISMO - AS MIGRAÇÕES .- OS VENTOS DE GUERRA QUE SOPRAM DE LESTE

NEOABJECCIONISMO
Luís Graça & Camaradas da Guiné: Guiné 61/74 - P18402 Álbum fotográfico de  Virgílio Teixeira, ex-alf mil, SAM, CCS / BCAÇ 1933 (Nova Lamego e São  Domingos, 1967/69) - Parte XXIII: Mulheres
foto de Virgilio Teixeira ex alferes miliciano
*
AS "DESCOBERTAS"
O COLONIALISMO
AS MIGRAÇÕES
OS VENTOS DE GUERRA QUE SOPRAM
DE LESTE
I
o outro lado da descoberta
é o fascínio da tutoria
descobri é meu é nosso e mando
tomar posse do todo sem oferta
deixar morrer quem morre em agonia
só interessa a riqueza para o bando
*
II
o colonialismo é a tão grande tragédia
que mergulha o tutor
na mais cruel desumanidade
chamam-lhe idade média
entre o fausto da corte sem amor
e a aventura que tiraniza a liberdade
*
III
não descobrimos ou somos donos de nada
usurpadores por direito canónico
e a pólvora dos canhões que espalhava morte 
ensinaram-nos uma pátria sagrada
criada com sangue inocente por um poder despótico
que atraía predadores sem norte
*
IV
as descobertas de que tantos se ufanam
são um confisco da dignidade
que abriram portas a outros mundos
à ganância dos que mandam
à ocupação sem lei e sem Humanidade
por humanos vagabundos
*
V
fui ver na era moderna
passados que foram quinhentos anos
só vi fome e miséria
crianças sem destino  a pedir à porta da caserna
soldados alienados a causar danos
violações da dignidade abençoando a tragédia
da patriarcal sobre a materna
*
VI
vejo no olhar assustado duma criança
a pergunta angustiante
que fazes aqui porque não posso brincar
para quê tanta matança
porque não há comida nem aqui nem lá adiante
viestes para nos matar
*
VII
não quero ser titular
de nada nem do reconhecimento da nação
porque eu sou da Humanidade
e sobre a pátria nada tenho a declarar  
fui à guerra para pedir perdão 
a cada criança que me olhava com humildade
*
VIII
lembro ainda os gritos uivantes
dos macacos cão que tropeçavam nas armadilhas
podia ter sido uma pessoa
o som da granada ecoa nos corações angustiantes
ou uma criança sem sapatilhas
que tropeça no fio de rastilho escondido à toa
*
IX
peço perdão às vítimas de escravatura
à mulheres e às crianças estupradas sem piedade
às pessoas ingênuas que acreditaram
no amor fraternal de missionários à procura
da conversão forçada com desumanidade
deixando um rasto de ódio na memória dos que ficaram
*
X
a humanidade é livre prisioneira
dum sistema cruel o financeiro que a seduz
com a mais valia da abastança
que a incita à violência à competição p'la dianteira
à deriva dum tempo sem luz
feitos adultos à pressa com medo de ser criança
*
XI
exorto todo o ser humano ao pensamento
ao raciocínio de Ser pessoa atenta
partilhando a sabedoria da memória colectiva
há mensagens de guerra trazidas p'lo vento
disseminem a Paz o Amor a Humanidade a consciência isenta
para uma vida feliz plena e criativa 
 
jrg
27
Out21

APETECIA-ME

NEOABJECCIONISMO

Mar de Gandaia.jpg

foto jrg

 

APETECIA-ME
*
apetecia-me dar uma festa
em honra da vida
e da sua irmã gémea morte
apetecia-me dormir a sesta
à hora da partida
antes que a consciência perca o norte
*
convidaria Amigas e Amigos
para celebrar-mos a minha despedida
um porto de honra à alegria
honra à memória dos antigos
oportunidade perdida
não fiz nada não sei nada mais valia
*
não ter visto a luz do dia
não ter não sentir esta sensação
de ter vivido sem sentido
fui aprendiz de poeta sem saber de poesia
sou da minha morte meio irmão
e temo que ela me culpe por não ter Sido
*
apetecia-me dar uma festa
para alegrar o sentir mórbido de viver
fui aprendiz de aprender
bate chapas mecânico pescador de besta
pedreiro vendedor até escurecer
fui amante filho neto pai avô a aprender
+
do meu testamento não consta dinheiro
nem nada a que chame de meu
sou um pária dos valores fiduciários
cultivo o amor por inteiro
sou o que não sendo na vida aconteceu
de pensamentos perdulários
+
brindemos á vida e á morte com alegria
não sabemos nada a cada passo aprendemos
persiste o mistério de saber ao que viemos
esta ânsia de viver a vida em fantasia
a angústia quando chega a hora de morrermos
viva a morte e tudo o que não soubemos
+
tudo que vive morre a qualquer tempo´
há um turbilhão de gente
que aguarda sem o saber a sua sorte
ervas daninhas baloiçam ao vento
o mar ruge espuma amarela também ele doente
quando eu morrer não me chorem a morte
jrg
foto jrg
02
Jan21

RESPIRAR POESIA A CATARSE IV * EXORTAÇÃO DA PAZ DO AMOR E DA HUMANIDAE!

NEOABJECCIONISMO

HUMANIDADE.jpg

HUMANIDADE1.jpg

fotos públicas tiradas da net

*

RESPIRAR POESIA
A CATARSE IV
*
EXORTAÇÃO DA PAZ
DO AMOR E DA HUMANIDAE
*
exorto as consciências Humanas
a cultivarem a Paz
a insurgirem-se contra o Êxodo
de migrantes pela fome
e de refugiados pela pandemia da guerra
*
exorto as consciências Humanas
a partilharem Amor
por onde houver ódio raiva ganância
façamos do Amor a ponte
que dê a todos a dignidade de existir
*
exorto as consciências Humanas
a Serem conscientes
da dimensão da sua própria Humanidade
a manterem intacta a natureza
não consumindo dela mais que o necessário
*
de mãos dadas pela vida fora
irmãos Amigos Amantes
construiremos antes que o caos nos destrua
um mundo justo e mais equilibrado
onde seja possível respirar cantando a poesia
jrg
foto jrg
25
Abr20

DO AUSTRALOPITECO AO HOMO SAPIENS-OU O COVID-19 COMO FIM

NEOABJECCIONISMO

evolução do homem 0.jpg

covi 19.jpeg

 

fotos públicas tiradas da net

quarentena NUNO.jpg

desenho de Nuno Goçalves

*

DO AUSTRALOPITECO AO
HOMO SAPIENS
OU O COVID-19 COMO FIM
*
olá Homo Sapiens
que é feito da tua sabedoria
o Homo erectus já era
aos poucos foste amealhando bens
tornaste-te uma epidemia
extinguido outras espécies primavera
*
o Homo neanderthalensis não resistiu
os australopitecos também não
tornaste-te senhor do mundo à força bruta
mas és um homo estúpido que não viu
que à tua volta há mais inteligência em contra mão
inteligência viva e pura não astuta
*
e agora
nem há profetas
nem apóstolos da desgraça
só silêncio hora a hora
com palavras gritantes infectas
a encher o vazio da praça
*
olho em volta
perscruto o pipilar das aves na rua
ladra o cão miam gatos
angustiante o grasnar da gaivota
talvez fome culpa tua
que não lhes rapas os restos dos pratos
*
os agiotas os egoístas
ainda há pouco no auge tão poderosos
a inveja e a ganância
sobram ainda espertos e oportunistas
os ignorantes caprichosos
quero vê-los a todos engalfinhados à distância
*
emboscado o bicho espreita
também ele a sua oportunidade de sobreviver
como que sabendo da fragilidade humana
predador maior que nem a si próprio e os seus respeita
encurralado com medo de sofrer
confinado ao silêncio que dilacera e a alma engana
*
os sabichões fazem apostas
eles sabem tudo onde outros não sabem nada
fingem-se fortes com impunidade
isto vai acabar se ficarem dentro de portas
enquanto o pânico toma conta da manada
que é feito do humano pensador que dá luz à liberdade
*
será que o jogo acabou
penso ao ouvir estalar as cartilagens da cabeça
os tímpanos numa confusão de ruídos
passeio à volta da mesa redonda onde estou?
a ficar louco embora a mim não pareça
vou à janela aspirar do mar de maresia os fluidos
*
vi na guerra soldados impacientes
quebrando o silêncio com tiros de metralhadora
sem ser por nada para se ouvirem
vi gente fazer discursos inflamados incipientes
prometendo mesa farta à manjedoura
sem se darem conta do ridículo da vertigem
*
mas um micróbio invisível
aterrorizar o mundo humano quase inteiro
espalhar o pânico o salve-se quem puder
as cidades desertas com medo dum vírus desprezível
os arrogantes apeados do poleiro
eis a luz catártica mutante que exibe o Ser Mulher
*
afinal ainda há uma hipótese
neste jogo entre a vida abundante e a morte rasa
uma mutação do inconsciente
ao acordar ouvimos uma melodia que toca em apoteose
um novo conceito de viver uma nova casa
a Paz o amor a Humanidade para toda a gente
*
que reduza o Homo Sapiens Sapiens
à sua vegetativa insignificância
tudo o que descobriram já era descoberto
evoluíram para saques selvagens
infectaram a vida com a febre da abundância
condenaram a existência a um deserto
jrg

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa útil - home - pesquisa avançada - últimos posts - tops / estatísticas direito de resposta - área de utilizador - logout informação - ajuda / faqs - sobre o blog.com.pt - contacto - o nosso blog - blog.com.pt no Twitter - termos e condições - publicidade parceiros e patrocinadores

Em destaque no SAPO Blogs
pub