16 comentários:
De mimi a 23 de Setembro de 2008 às 14:29
Neo estás cada vez melhor a escrever histórias e bem longas.Gostei muito, ao ponto a que as pessoas às vezes chegam na sua vida.Beijinhos.
De NEOABJECCIONISMO a 23 de Setembro de 2008 às 14:49
mimi.
Amiga.
Leste bem tudo? A história própriamente não fui eu que escrevi, é uma alocução do Luís Pacheco. E quem foi o Luís Pacheco? Um escritor maldito, que vivia a vida como ele a descreve acima e questionava o porquê de a maioria de nós obedecer como uns cordeiros mansos ao que nos disseram e dizem desde que nascemos.
O texto a seguir, A Minha Reflexão , é que foi escrito por mim e são considerações que faço sobre práticas quotidianas a que somos submetidos diáriamente.
Este blog pretende ser uma homenagem ao espírito libertino e livre do Luís Pacheco, daí o titulo.
Obrigado por vires sempre, mesmo quando parece mais difícil. Mas agora sei que és uma mulher coragem.
Beijinhos
De mimi a 26 de Setembro de 2008 às 17:35
Olá Neo estou com saudades tuas.Só vim aqui desejar-te um óptimo fim de semana junto dos que mais amas nesta vida.Beijinhos.
De NEOABJECCIONISMO a 26 de Setembro de 2008 às 17:49
mimi.
Voltas segunda cheia de energias. Gosto muito das tuas palavras.
Beijinhos e bom fim de semana com o teu amor
De Ana Cristina a 24 de Setembro de 2008 às 10:55
ocorre-me dizer Neo: Estados d'alma...
Abraço
De NEOABJECCIONISMO a 24 de Setembro de 2008 às 12:21
Ana Cristina.
Só!... ?


De Ana Cristina a 24 de Setembro de 2008 às 14:28
:-) profundos e prementes :-)
Abraço
De NEOABJECCIONISMO a 24 de Setembro de 2008 às 14:54
Ana Cristina.

Assim está melhor...

Obrigado
Abraço
De NC . vincos-na-alma a 24 de Setembro de 2008 às 12:33
o pedir e o dar estão sempre implicitos em algo. não damos ou recebemos porque e sim porque não, porque até fica bonito. 'é uma forma comum de manipulação dos interesses próprios em absoluto.' é a frase q resume tudo.

obrigado pelas palavras lá no blog :)
os comentáros a negro foram mesmo falta de atenção da minha parte, e a ausência, um bem necessário :p

sou assídua, quando venho. se é que me faço entender. tenho de estar em pleno para postar, ou comentar decentemente. ;) *
De NEOABJECCIONISMO a 24 de Setembro de 2008 às 14:38
NC.vincos-na-alma.
Escrevo o nome e sinto arrepios de imaginar vincos na alma que se quer ilesa, de imaginar que te magoaram em pontos muito sensíveis do teu ser.
Há várias formas de dar e de pedir. Há até quem dê sem que lhe peçam. E há quem peça sem pedir. Mas o acto em si "é uma forma comum de manipulação dos interesses próprios em absoluto", soa-me bem porque gosto de absolutos e se gostaste, se a tomas como uma evidência deste jogo de interesses não assumidos, é porque sentes nas palavras.
Ah, bom!...sobre o espaço negro onde escrevia os comentários. E depois ,passando com o lado direito do rato, apareciam as letras e a parte de publicar. A principio achei que não era possivel. Mas insisti, fui até ao fim, experimentei e ,digo-te, que é uma originalidade. Um apelo à nossa imaginação e atenção na escrita. Se não vês o que fica escrito, nem podes corrigir, tens que te esmerar na atenção. Um mimo de originalidade. Mas agora dizes que foi engano teu. Confessa lá que foi uma experiência!
Só devemos escrever quando sentimos a necessidade de comunicar dessa forma. Concordo contigo.
Gostei de te ter aqui. Tens uma alma para alisar. Talvez eu possa fazer parte, entre outros e outras.
beijinhos de amigo
De NC . vincos-na-alma a 26 de Setembro de 2008 às 21:45
a parte dos comentários foi mesmo falta de atenção :x não deixa de ser uma boa ideia, verdade, mas aqueles q a aceitam estão em inferioridade numérica. mas esse é um mal do país, julgo eu lol.
certamente poderás fazer parte :)
De romanesco a 27 de Setembro de 2008 às 00:45
NC.vincos-na-alma
Acredito, amiga. Mas como sabes as palavras gostam de brincar. Todavia,inovar é mesmo ir contra vontades maioritárias que se acomodam. Não temas ser a ou da minoria, muitas vezes é aí que a felicidade de sermos pessoa acontece.
Agradeço a tua aceitação de mim como parte do convívio da alma.
Beijinhos de amigo
De António Rosa a 24 de Setembro de 2008 às 15:54
Caro Neo,

Profunda reflexão. Soube-me bem lê-lo com atenção.

«O que é dar confiança? Dar confiança pressupõe ter recebido confiança suficiente para poder retribuir. Ninguém dá nada a alguém se não tiver tido um retorno.»

Quem dá o primeiro passo? Prefiro, por isso, conjugar o verbo «confiar».

Que esteja tudo bem consigo.

Abraço

António
De NEOABJECCIONISMO a 25 de Setembro de 2008 às 12:07
António Rosa
Obrigado pela sua ajuda à reflexão.
A meu ver não há como desviar.
Na banca ,as maçãs, hoje captam a minha atenção, dão-me a sua confiança. Eu confio e compro.
As mesmas maçãs, uns dias depois, e ainda compradas sob o mesmo espírito de confiança, estão bichadas, amargas, indiscretas. Eu não deixo de comprar maçãs...Porque eu gosto de maçãs
Toda a gente, na época, conhecia o Luís Pacheco...
Eu não lhe confiaria um empréstimo se precisasse do retorno. Mas não lhe recusaria a dádiva pelo prazer que me dava ele existir e dizer o que eu queria e não ousava.
Um abraço
De Lala a 25 de Setembro de 2008 às 23:40
Meu Deus!!!
Que drama, que vida, se é que a isto se pode chamar vida.

Deixo-me comovida.



Lala
De NEOABJECCIONISMO a 26 de Setembro de 2008 às 17:53
Lala. O drama a que te referes é exteriorizado em alegria. O que o torna mais permeável à nossa reflexão.
Beijinhos de amigo

Comentar post