Terça-feira, 23 de Setembro de 2008
SER NEOABJECCIONISTA - OU A QUESTÂO DE DAR E TIRAR A CONFIANÇA

O QUE É O NEO-ABJECCIONISMO


Chamo-me Luiz José Machado Gomes Guerreiro Pacheco, ou só Luiz Pacheco, se preferem. Tenho trinta e sete anos, casado, lisboeta, português. Estou na cama de uma camarata, a seis paus a dormida. É asseado, mas não recebo visitas. Também não me apetece fazer visitas. A Ninguém. Estou bastante só. Perdi muito. Perdi quase tudo.
Perdi mãe e perdi pai, que estão no cemitério de Bucelas. Perdi três filhos – a Maria Luísa, o João Miguel, o Fernando António –, que estão vivos, mas me desprezam (e eu dou-lhes razão). Perdi amigos. Perdi o Lisboa; a mulher, a Amada, nunca mais a vi. Perdi os meus livros todos! Perdi muito tempo, já. Se querem saber mais, perdi o gosto da virilidade; se querem saber tudo, perdi a honra. Roubei. Sou o que se chama, na mais profunda baixeza da palavra, um desgraçado. Sou, e sei que sou.
Mas, alto lá! sou um tipo livre, intensamente livre, livre até ser libertino (que é uma forma real e corporal de liberdade), livre até à abjecção, que é o resultado de querer ser livre em português.
Até aos trinta e sete anos, até há bem pouco tempo ainda, portanto, julguei que podia, era possível, ser livre e salvar-me sozinho, no meio de gente que perdeu a força de ser (livre e sozinha), e já não quer (ou mui pouca quer) salvar-se de maneira nenhuma. Julgava isto, creiam, e joguei-me todo e joguei tudo nisto. Enganava-me. Estou arrependido. Fui duro, fui cruel, fui audaz, fui desumano. Fui pior, porque fui (muitas vezes) injusto e nem sei bem ao certo quando o fui. Fui, o que vulgarmente se chama, um tipo bera, um sacana. Não peço que me perdoem. Não quero que me perdoem nada. Aconteceu assim.
Eu para mim já não quero nada, não desejo nada. Tenho tido quase tudo que tenho querido, lutei por isso (talvez o merecesse). Agora, já não quero nada, nada. Já tudo, tanto me faz; tanto faz.
Agora, oiçam: tenho dois filhos pequenos, o Luís José, que é o meu nome, e a Adelina Maria, que era o nome de minha Mãe. O mais velho tem 4, a pequenita dois, feitos em Fevereiro, a 8. Durmo com uma rapariga de 15 anos, grávida de sete meses, e sei que ela passa fome. É natural que alguns de vocês tenham filhos. Que haja, talvez, talvez por certo, mães e pais nesta sala. Não sei se já ouviram os vossos filhos dizerem, a sério, que estão com fome. É natural que não. Mas eu digo-lhes: é essa uma música horrível, uma música que nos entra pelos ouvidos e me endoidece. Crianças que pedem pão (pão sem literatura, ó senhores!) pão, pãozinho, pão seco ou duro, mas pão, senhores do surrealismo, e do abjeccionismo, e do neo-realismo e mesmo do abstraccionismo! Este mês de Março que vai acabar ou já acabou, pela primeira vez, eu ouvi os meus filhos com fome. E pela primeira vez, não tive que lhes dar. Perdi a cabeça, para lhes dar pão (ainda esta semana). Já não tenho que vender, empenhei dois cobertores, e um nem era meu. Tenho uma máquina de escrever, que é a minha charrua, e não a posso empenhar porque não a paguei; e tenho uma samarra, que no prego não aceitam porque agora vai haver calor e a traça também vai ao prego... Já não tenho mais nada. Tenho pedido trabalho a amigos e a inimigos. Humilhei-me, fiz sorrisos. Senti na face, expelido com boas palavras e sorrisos, o bafo da esperança, da venenosa esperança; promessas; risinhos pelas costas. Pedi trabalho aos meus amigos: Luís Amaro, da Portugália Editora; Rogério Fernandes, de Livros do Brasil; Artur Ramos; Eduardo Salgueiro, da Inquérito; dr. Magalhães, da Ulisseia; e Bruno da Ponte, da Minotauro, aqui presente, decerto. Alguns têm-me ajudado; mas tão devagarinho! tão poucochinho!
Sim, porque eu não faço (já agora, na minha idade!) todos os trabalhos que vocês querem! Só faço, já agora, coisas que sei e gosto: escrever umas larachas; traduzir o melhor que posso; mexer em livros, a vendê-los ou a fazê-los.
Nem quero vê-los a vocês, todos os dias! Ah! Não! Era o que me faltava! Vocês têm uma caras! Meu Deus, que caras que nós temos! Conhecem a minha? Vão vê-la ali ao canto, na folha rasgada do meu passaporte (sim, porque viagens ao estrangeiro (uma...) também já por cá passaram...) Viram? É horrível!... A mim, mete-me medo! Mas é uma cara de gente. E isso não é fácil.
Dizia eu: eu quero trabalhar na minha máquina, sozinho, ou rodeado da minha Tribo: os miúdos, uma mulher-criança, grávida. E, às tardes, ir passear pela Avenida Luísa Todi ou na ribeira do Sado. Acho que nem era pedir muito. E para mim, é tudo.
Já pedi trabalho a tanta gente, que já não me custa (envergonha) pedir esmola. Confesso-lhes: até já o fiz, estendi a mão à caridade pública, recebi tostões de mãos desconhecidas, de gente talvez pobre. E tenho pedido emprestado, com a convicção feita que não o poderei pagar. É assim.
Eu para o Luiz Pacheco, repito, não quero nada, não desejo nada, não preciso de nada; mas para os bambinos! E para o bebé que vai nascer! Roupas; leite; pão; um brinquedo velho... Dêem-me trabalho! Ou: dêem-me mais trabalho.
E para findar esta Comunicação, remato já depressa:

Peço uma esmola.

 

(Alocução de Luís Pacheco numa conferência pública)

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 

A Minha  Reflexão...

Não se pede nem se dá, interioriza-se, sente-se e é como uma mola do interior de nós que se movimenta na direcção da coisa ou ser da nossa atenção.

Dar, não nos dá o direito de exigir vassalagem. Nem de retirar a coisa dada se não for feito o uso para que a demos. Dar é uma emoção dum dado momento que nos satisfaz. É uma necessidade nossa. Quando retiramos o que demos em determinado momento, não nos assiste o direito de retorno de nada. Não existe retorno do que foi gasto em ideia ou uso.Dei-te confiança, fizeste mau uso do meu confiar, logo, retiro-te a confiança. Devolve-ma...

O que é dar confiança?

Dar confiança pressupõe ter recebido confiança suficiente para poder retribuir. Ninguém dá nada a alguém  se não tiver tido um retorno. Madre  Teresa recebia a dádiva da Paz interior pela sua devoção a causas humanitárias. Entre o comum de nós, humanos, o hábito ou o acaso de dar, é sinónimo de ter recebido antes uma contrapartida, ainda que emocional.

Dar é um acto instantâneo face a um recebimento. É  reciproco.  Só possivel quando duas pessoas se cruzam e se sentem. Está dado.

Penso que não é estimável que alguém retire confiança a outrem e o faça anunciando tal decisão. É uma violência psicológica. A pessoa em quem se confia deixou de ser confiável no todo ou em parte, para um alguém, não para o todo, sequer para o todo de quem retira a confiança.

Na conferência de Luís Pacheco, ele explicita-se. Dêem-me trabalho, mas não um trabalho qualquer. Pede pão para os filhos e já agora, sem o dizer, que seja suficiente para o vinho.

É um pedido desesperado que obtém de quem dá duas satisfações de bem estar. A primeira, a emoção do quadro pintado por quem pede e que provoca a reacção de dar , a segunda, a emoção do acto de dar, efectivo. Sem a emoção anterior não há emoção posterior. Sem a dádiva que capta a atenção , não há dádiva de facto.

Falarmos subjectivamente do que nos interessa sem atendermos ao interesse do outro, é uma forma comum de manipulação dos interesses próprios em absoluto.

Pensarmos que é possivel comprar ou subjugar a consciência do outro, a sua liberdade de pensamento,  com actos que consideramos subjectivamente  suficientes para o manter amordaçado, subserviente a nós, é ingenuidade gratuita ou prepotência dos valores de que nos julgamos possuídos.

Eu considero, ainda, que mais grave é o processo Kafquiano de julgar os procedimentos de um individuo, apenas pela avaliação que alguém faz do seu comportamento e dos reflexos que ele pode induzir ou reflectir na sua própria visibilidade, a  do julgador, aos olhos de outros. Como se fosse indissociável um do outro, o que pratica a acção do sujeito que se vê implicito na própria acção.

 

 

 

 

 

sinto-me: reflexivo
música: A garrafa vazia/ de Manuel Maria
publicado por NEOABJECCIONISMO às 12:06
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
16 comentários:
De mimi a 23 de Setembro de 2008 às 14:29
Neo estás cada vez melhor a escrever histórias e bem longas.Gostei muito, ao ponto a que as pessoas às vezes chegam na sua vida.Beijinhos.
De NEOABJECCIONISMO a 23 de Setembro de 2008 às 14:49
mimi.
Amiga.
Leste bem tudo? A história própriamente não fui eu que escrevi, é uma alocução do Luís Pacheco. E quem foi o Luís Pacheco? Um escritor maldito, que vivia a vida como ele a descreve acima e questionava o porquê de a maioria de nós obedecer como uns cordeiros mansos ao que nos disseram e dizem desde que nascemos.
O texto a seguir, A Minha Reflexão , é que foi escrito por mim e são considerações que faço sobre práticas quotidianas a que somos submetidos diáriamente.
Este blog pretende ser uma homenagem ao espírito libertino e livre do Luís Pacheco, daí o titulo.
Obrigado por vires sempre, mesmo quando parece mais difícil. Mas agora sei que és uma mulher coragem.
Beijinhos
De mimi a 26 de Setembro de 2008 às 17:35
Olá Neo estou com saudades tuas.Só vim aqui desejar-te um óptimo fim de semana junto dos que mais amas nesta vida.Beijinhos.
De NEOABJECCIONISMO a 26 de Setembro de 2008 às 17:49
mimi.
Voltas segunda cheia de energias. Gosto muito das tuas palavras.
Beijinhos e bom fim de semana com o teu amor
De Ana Cristina a 24 de Setembro de 2008 às 10:55
ocorre-me dizer Neo: Estados d'alma...
Abraço
De NEOABJECCIONISMO a 24 de Setembro de 2008 às 12:21
Ana Cristina.
Só!... ?


De Ana Cristina a 24 de Setembro de 2008 às 14:28
:-) profundos e prementes :-)
Abraço
De NEOABJECCIONISMO a 24 de Setembro de 2008 às 14:54
Ana Cristina.

Assim está melhor...

Obrigado
Abraço
De NC . vincos-na-alma a 24 de Setembro de 2008 às 12:33
o pedir e o dar estão sempre implicitos em algo. não damos ou recebemos porque e sim porque não, porque até fica bonito. 'é uma forma comum de manipulação dos interesses próprios em absoluto.' é a frase q resume tudo.

obrigado pelas palavras lá no blog :)
os comentáros a negro foram mesmo falta de atenção da minha parte, e a ausência, um bem necessário :p

sou assídua, quando venho. se é que me faço entender. tenho de estar em pleno para postar, ou comentar decentemente. ;) *
De NEOABJECCIONISMO a 24 de Setembro de 2008 às 14:38
NC.vincos-na-alma.
Escrevo o nome e sinto arrepios de imaginar vincos na alma que se quer ilesa, de imaginar que te magoaram em pontos muito sensíveis do teu ser.
Há várias formas de dar e de pedir. Há até quem dê sem que lhe peçam. E há quem peça sem pedir. Mas o acto em si "é uma forma comum de manipulação dos interesses próprios em absoluto", soa-me bem porque gosto de absolutos e se gostaste, se a tomas como uma evidência deste jogo de interesses não assumidos, é porque sentes nas palavras.
Ah, bom!...sobre o espaço negro onde escrevia os comentários. E depois ,passando com o lado direito do rato, apareciam as letras e a parte de publicar. A principio achei que não era possivel. Mas insisti, fui até ao fim, experimentei e ,digo-te, que é uma originalidade. Um apelo à nossa imaginação e atenção na escrita. Se não vês o que fica escrito, nem podes corrigir, tens que te esmerar na atenção. Um mimo de originalidade. Mas agora dizes que foi engano teu. Confessa lá que foi uma experiência!
Só devemos escrever quando sentimos a necessidade de comunicar dessa forma. Concordo contigo.
Gostei de te ter aqui. Tens uma alma para alisar. Talvez eu possa fazer parte, entre outros e outras.
beijinhos de amigo
De NC . vincos-na-alma a 26 de Setembro de 2008 às 21:45
a parte dos comentários foi mesmo falta de atenção :x não deixa de ser uma boa ideia, verdade, mas aqueles q a aceitam estão em inferioridade numérica. mas esse é um mal do país, julgo eu lol.
certamente poderás fazer parte :)
De romanesco a 27 de Setembro de 2008 às 00:45
NC.vincos-na-alma
Acredito, amiga. Mas como sabes as palavras gostam de brincar. Todavia,inovar é mesmo ir contra vontades maioritárias que se acomodam. Não temas ser a ou da minoria, muitas vezes é aí que a felicidade de sermos pessoa acontece.
Agradeço a tua aceitação de mim como parte do convívio da alma.
Beijinhos de amigo
De António Rosa a 24 de Setembro de 2008 às 15:54
Caro Neo,

Profunda reflexão. Soube-me bem lê-lo com atenção.

«O que é dar confiança? Dar confiança pressupõe ter recebido confiança suficiente para poder retribuir. Ninguém dá nada a alguém se não tiver tido um retorno.»

Quem dá o primeiro passo? Prefiro, por isso, conjugar o verbo «confiar».

Que esteja tudo bem consigo.

Abraço

António
De NEOABJECCIONISMO a 25 de Setembro de 2008 às 12:07
António Rosa
Obrigado pela sua ajuda à reflexão.
A meu ver não há como desviar.
Na banca ,as maçãs, hoje captam a minha atenção, dão-me a sua confiança. Eu confio e compro.
As mesmas maçãs, uns dias depois, e ainda compradas sob o mesmo espírito de confiança, estão bichadas, amargas, indiscretas. Eu não deixo de comprar maçãs...Porque eu gosto de maçãs
Toda a gente, na época, conhecia o Luís Pacheco...
Eu não lhe confiaria um empréstimo se precisasse do retorno. Mas não lhe recusaria a dádiva pelo prazer que me dava ele existir e dizer o que eu queria e não ousava.
Um abraço
De Lala a 25 de Setembro de 2008 às 23:40
Meu Deus!!!
Que drama, que vida, se é que a isto se pode chamar vida.

Deixo-me comovida.



Lala
De NEOABJECCIONISMO a 26 de Setembro de 2008 às 17:53
Lala. O drama a que te referes é exteriorizado em alegria. O que o torna mais permeável à nossa reflexão.
Beijinhos de amigo

Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
.posts recentes

. FELIZ ANO 2018 - QUE SEJA...

. SAÚDO O NATAL DE TODA GEN...

. A APAGAR O FOGO QUE O CRI...

. NÃO OBSTANTE

. OS VAMPIROS CONTRA-ATACAM...

.arquivos

. Dezembro 2017

. Outubro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Outubro 2015

. Outubro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

.tags

. todas as tags

. CONVITE - LANÇAMENTO DO L...

. A PÁTRIA DO HOMEM É A ALM...

. Rogério Martins Simões - ...

. Um pedido especial

. Ano novo=)

. Início

. Cresci & Renasci

. Marcas de paixão

. História Romanceada...

. Destaque da semana...

.links
MyFreeCopyright.com Registered & Protected
Rimador Luso-Poemas

Palavra Terminação
.Romanesco-Biocrónicas
OFERTAS - NATAL - ANIVERSÁRIO - UMA ORIGINALIDADE - A SUA VIDA NUM ROMANCE
Escrevo histórias de vida de pessoas que se...
Luso-Poemas - Poemas de amor, cartas e pensamentos
Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa útil - home - pesquisa avançada - últimos posts - tops / estatísticas direito de resposta - área de utilizador - logout informação - ajuda / faqs - sobre o blog.com.pt - contacto - o nosso blog - blog.com.pt no Twitter - termos e condições - publicidade parceiros e patrocinadores
fio de Ariadne
blogs SAPO